Saturday, June 20, 2015

Um ano sem comprar roupas + dois costurando


  .quando uma cozinheira resolve costurar.

   Em agosto de 2013 fiz a primeira promessa de ficar um ano sem comprar roupas e nove meses depois fracassei, tive que recomeçar. Foi transformador e vou te contar como foi.


[Aventais para a Tati do Pata Lodge]



           Algumas pessoas, inclusive amigos próximos, não sabem porque do nada eu comecei a costurar, mas agora que passou quase dois anos decidi relatar pois a experiência foi positiva. Quem me acompanha aqui no blog sabe que o conteúdo principal são receitas e  deve estar achando um pouco estranho este assunto. Mas sim, claro! É preciso olhar para todas as dimensões de nossas vidas, não podemos nos limitar somente a origem e qualidade do que consumimos como alimento, né? Não vou negar que o cultivo de alimentos agroecológicos pode levar o mundo em outra direção assim como a alimentação saudável pode transformar a vida de uma pessoa, mas é preciso abrir os olhos para o que as outras "indústrias" estão impactando em nossas vidas, e a moda é uma delas.








(Ganhei este livro da Ana que trabalha na Hedra e achei bem interessante, recomendo)

Você sabe qual a origem do material da calcinha que você esta usando? Quem será que fez o teu pijama?

             Quando rompemos com um padrão, neste caso comprar roupa, passamos a encarar a situação com outros olhos e, além do questionamento, abrimos espaço para o novo, para a criatividade, ou melhor, para expressar quem realmente somos. 
             Mas será que nossa essência pode virar roupa? Ou melhor, nossa roupa pode expressar nossa essência? 



        Pode ser que sim. Inconscientemente, mesmo sem pensar, nos vestimos conforme nossa emoções e situações. Tem dias que estamos nos sentindo leve, lindo, depressivo, relaxado e as vezes nada disso importa pois vestimos uniformes. E este é o caso de quem trabalha em cozinha profissional por exemplo.

Mas porque parar de comprar roupas? Ou melhor, porque voltar a costurar?

            Boa pergunta. Vale lembrar que sou uma pessoa que cresceu em uma cidade industrial onde grande parte da população gosta de ir ao Shopping e costuma se vestir semelhante as outras. Diferente de outros lugares onde os estilos são mais expressivos.  Por isso sempre gostei de garimpar roupas em viagens e brechós de época, pois era o único jeito de encontrar peças acessíveis e originais.
           {Sorocaba produzia um linho de excelente qualidade e foi até considerada a Manchester paulista  devido seu histórico com a indústria têxtil e a estamparia.  Curiosamente estive na Manchester inglesa em 2006 - para fazer um curso de cozinha vegetariana - e na  ocasião conheci a cidade que,  além da história com a indústria de tecido, tem museus, brechós incríveis e transpira vanguarda. Não que a grama do vizinho seja mais verde mas não vi nenhuma semelhança com a manchester paulista no que diz a originalidade visual e cuidado com o patrimônio histórico.  Por aqui uma das fábricas virou shopping, outra virou empreendimento imobiliário e o que restou torcemos para que vire um museu de tecelagem.}
           Começou a ficar difícil encontrar boas opções pela região e as vendedoras tinham que ter paciência comigo. Sempre houve algo que me incomodava, as vezes um tecido, um zíper, uma textura, o corte, o acabamento e principalmente o estilo. Buscava algo que só agora descobri, estava guardado aqui dentro.
           Tudo isso para não falar no que é os bastidores desta industria. Como saber quem não explora? Hoje  existem tantos conceitos em volta de uma marca que fica difícil identificar quem realmente realiza um processo que beneficie a todos de maneira saudável dentro da cadeia produtiva.
            Sempre existiu uma vontade de costurar as próprias roupas mas nunca dei muito ouvidos pra isso, parecia impossível.


 
[O avental Roseira ficou com minha prima Paula]

            Processos são fundamentais para compreender como as coisas funcionam e também para poder colocar em prática nossas idéias, nada brota nas prateleiras do nada.          
            É importante ter consciência daquilo que consumimos. Ao comprar contribuímos para aquela cadeia continuar. Cada coisinha tem uma origem, uma composição, uma soma de manifestações. 

Fashion Week - engraçado!
BBC - documentário "Dying for a bargain"

Homo consumus, consumo logo existo

            Foi se um tempo, e não muito, algo como três gerações atrás onde quase toda mulher sabia costurar e cozinhar pelo menos o básico.  Tipo pregar um botão e fazer uma barra. Não estou julgando que seja bom ou ruim, apenas lembrando que as pessoas estavam vivenciando mais os processos. Quem não costurava sempre tinha uma irmã, uma tia ou até uma vizinha que entendia. Mas de repente tudo mudou. A indústria, baby, nos contagiou. O homo sapiens virou o homo consumus e  começou a consumir de tudo e mais um pouco.
            Esta semana  vi uma bota em uma vitrine que tinha um aspecto de "usado" pois deve estar na moda. Não é engraçado isto? Você comprar um objeto que parece que já foi usado mas na real tá na cara que não foi? 
            Mas e antes? Beeeeem antes. Como era feito para adquirir uma coisa que alguém não tinha? Fazia ou trocava. Eu tenho cacau e você tem limão, como é que faz? Feiras e trocas, sim Senhor.
             {Já troquei desde desenhos por aula de yoga até um aluguel em troca de levar um cachorro, o August, para passear todos os dias. Mas ainda sinto que existe resistência em trocar roupas, principalmente usadas. Concordo que precisamos doar também, mas e aquele vestido que você comprou e usou só uma vez e não consegue usar e nem doar? Bota para circular, plataformas como o enjoei e feiras de trocas são bons meios de começar.
         Nunca esqueço do bazar que fizemos no Rosinha lá em Águas de São Pedro, algumas peças eram tão boas que fizemos até um leilão, foi muito engraçado. Altas trocas com a Helô, Valentine, Ju e Ana. No primeiro bazar de troca da Morada troquei uma pintura por um  brinco de pedra da Lua e no segundo um vestido lindo por cartas de tarô. Mês passado troquei blusas com minha amiga Maria.}
            Foi entre estas e outras questões que optei por fazer esta promessa de ficar 1 ano sem comprar roupas. Ora bolas, a quantidade de roupas que tenho é o suficiente para viver e eu ainda posso trocar, doar e costurar. Tem coisa mais legal? Sim tem, pois costurar exige tempo, paciência, máquina de costura, tecidos, linhas e se você não curtir o processo o resultado não vai ser legal e a vida lá fora será mais interessante. O processo é valioso e no inicio parece impossível.

O primeiro sintoma

           

A parte boa é que por conta da promessa voltei a encarar a costura com mais afinco e com uma máquina Vigorelli antiga, presenteada por minha mãe, e uma Singer, presenteada pelo namorado, comecei fazendo bolsas e saias com tecidos de roupas velhas. Aprendi a costurar basicamente vendo vídeos pela internet. O molde eu já tinha uma base pois em 2007 havia feito um curso de modelagem e moulage, mas ficou faltando a parte da costura.
            Quando peguei o jeito na máquina comecei a costurar algumas saias godês para vender. Gosto de saia pois foi uma das primeiras peças de vestuário, homens e mulheres usavam em tempos antigos. Pronto,  nasceu Rita Maria. Um surto que ainda reverbera e este foi meu primeiro sintoma.



Assumindo o fracasso

            Em dezembro de 2013  adquiri 2 peças que minha razão achou que tudo bem pois não tinha saída:
            1. Uma calça jeans  - estava sem e não tinha maquinário para produzir.
            2. Um sutiã - precisei de um da mesma cor de um figurino de flamenco e eu não tinha a mínima noção por onde começar a costurar um sutiã.

             Mas o pior foi  em abril de 2014,  após 9 meses de caminhada, quando rompi a promessa durante uma viagem a Portugal. Comprei algumas peças de inverno pois fazia um frio de quebrar os ossos e foi o suficiente para me frustrar. Inconformada comigo mesma zerei e um mês depois comecei de novo. E foi aí, nestas semanas de intervalo, que comprei 3 vestidos. Foi uma espécie de descontrole,   me senti com falsa liberdade, foi estranho. Você já viu um filme chamado Surplus? É do Erik Gandini, me ajudou a abrir um pouco os olhos na adolescência.



   
A verdadeira promessa – 1 ano sem comprar roupa –
maio 2014, marco zero.

            Na primeira semana de maio de 2014 zerei e comecei a promessa novamente, agora incluindo bolsas e restringindo a não comprar nenhuma peça, mesmo que necessário. E Hoje 1 ano e um mês depois, consegui. Quando olho para trás muita coisa mudou, até uma camisa para o namorado consegui fazer. Foi muito difícil, fazer um jantar para 20 pessoas é muito mais fácil.
            Desta vez não participei do festival de dança onde faço ballet pois as academias padronizam o figurino e você não pode fazer o seu. Já na escola de flamenco acabei fazendo a loucura de produzir o figurino da minha turma inteira, 9 meninas, cada uma com um figurino diferente – e não contei para ninguém da promessa!!!!! O ano anterior já me incomodou o fato de comprarmos uma roupa pronta, afinal o figurino é tão importante dentro do contexto gitano que não consigo compreender porque as escolas de flamenco fazem isso. E, desta vez, ou eu fazia ou não dançava. Insisti com as meninas em criar um figurino ao invés de comprar pronto e elas super toparam. Foi quando busquei ajuda de uma professora de costura, a Gi.

O tema do festival foi uma homenagem a orquestra Casino de Sevilla e para  incrementar o figurino aprendi a fazer crochê e confeccionei, em viscose, dois mantos com franja, um pra mim e outro para a Juliana que foi quem trouxe esta idéia. No inicio pensei ser incapaz de fazer tudo aquilo, e sim tive problemas durante o caminho, normal. Uma das garotas não gostou, uma emagreceu muito e outra ficou grávida. Consegui contornar todas as situações mas após as apresentações me desliguei da escola. Senti uma certa frustração, pois na realidade gostaria de estar em um local onde cada dançarina confeccionasse o próprio vestido, afinal cada uma é uma.


Rita Maria – o nascimento da marca.

            Comecei a ser convidada para participar de alguns bazares com a Rita Maria que, além de saias, agora produz aventais, granolas, bolsas de retalhos e outras peças sazonais e artesanais. O primeiro foi o bazar do MACS (Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba), depois veio o Ocupação Jovem, Mundo Mix em SP, na loja My Mobb e as edições do Bazar do Bar.



[bazar na Mymobb de Sorocaba]


            Além da costura acabei descobrindo o crochê, bordado e outras técnicas como o tingimento com índigo vegetal. 



Tingir é tipo cozinhar as roupas, mas é uma coisa bem mais sistemática do que preparar uma refeição. 

     O aprendizado com o índigo é recente e me trouxe reflexões mais profundas a respeito dos pigmentos de origem natural. O indigo merece um post só pra ele, mas aqui você já pode conferir algum resultado.

 São muitas coisas para aprender e desenvolver neste universo do vestuário. É como a cozinha, quanto mais praticamos mais descobrimos, é infinito.


[Avental com serigrafia artesanal para a Fer, do Alimentar Verde, usar em suas bodas culinárias]

 É tudo simples e artesanal mas o processo  tem sido cada vez mais interessante. Não consegui variar muito as peças pois a costura disputa o tempo com a cozinha, mas aos poucos ela esta invadindo. Pode ser que quem entende de moda ache tudo muito básico, mas a idéia é realmente esta. Uma peça simples, bonita e que funcione em um determinado estilo de vida. Acho que o avental-vestido é perfeito, você fica  linda e já esta com sua roupa de "trabalho".


[Avental Volpi que foi para a Marcela do Dona Violeta]

O detox

Quando deixei de comprar roupas observei alguns sintomas curiosos mas que com o tempo foi evoluindo em um sentido maior de consciência. 


[ilustra para coleção de camisetas Rita Maria para Ashtanga Yoga Floripa]

O primeiro estágio, a abstinência, foi quando senti o impulso de entrar em uma loja. Entrei para ver mas ao identificar que não poderia comprar veio uma estranha sensação, não sei descrever, talvez seja a abstinência.
O segundo estágio foi sentir o impulso de querer ver mas após entrar na loja já dava vontade de sair.
O terceiro estágio foi ver uma vitrine e sentir vontade de entrar na loja, mas logo em seguida o impulso perdia força e eu nem entrava.
No quarto estágio eu já não olhava e nem sentia vontade de ver e comprar nenhuma roupa. 
E, finalmente, o quinto estágio, o inesperado, foi quando começaram a me procurar para desenhar e criar peças.
[Crop Medita Flores para Ashtanga Yoga Floripa, fiz somente o desenho e modelagem, quem fechou a peça foi uma malharia]
[Avental para o crowdfunding do Brownie do Luiz)


Hoje vivo o sexto estágio, onde consigo identificar modelagens e acabamentos, observo , analiso e sinto que consigo absorver algo para mais tarde somar. Após desenvolver um pouco a prática da costura agora estou buscando trabalhar com tecidos orgânicos, que são mais caros e beeeeeem mais difíceis de achar. Para pessoas que compram poucos metros é muito difícil encontrar tecidos orgânicos e acessíveis, mas estamos indo em passo de tartaruga.
Não sei se vou ter a glória de experienciar o sétimo estágio, o que será? Tecer um tecido?

Malasana – a costura e o yoga

Parte do bem-estar que a costura me trouxe, além de proporcionar a sensação de realização, feminilidade, criatividade, raciocínio 3D  e outras tem como brinde os benefícios da postura Malasana do yoga ou a popular “cócoras”.

Este é o asana perfeito para ficar trabalhando no chão enquanto desenha molde ou corta tecido. Observe que as crianças usam esta postura direto para brincar e que, sem saber, alonga os tornozelos, panturrilhas, tendões, relaxa a região lombar, os órgãos inferiores e  aumenta a concentração.

Quem conhece costureiras sabe que é uma profissão que judia muito da coluna pois elas passam muito tempo sentadas. Mas na verdade quando você vivencia todo o processo este assana pode trazer benefícios ao invés de prejudicar.

A consciência de vestir

I – Somos livres para vestir e não precisamos seguir uma moda que esta sempre mudando.

II - A moda deixa as pessoas iguais. Quanto mais na moda e descolado você for, mais sem personalidade você é, visualmente falando.

III - A moda detox é mais uma moda, porém interessante. Os antenados da moda já falam em descarte, fibras naturais, pigmentos botânicos e os brechós entram ainda mais na moda. Rs. 

IV - A moda desvaloriza quem faz e valoriza quem “cria”, mas o cenário esta se modificando, Graças a Dios. Em outras palavras a costureira, assim como a cozinheira, são desvalorizadas. Ao contrário do estilista e do  chef de cozinha.

V - São raros os que desenham e também modelam e  costuram. Por isso é importante valorizar os alfaiates e sapateiros artesanais de sua cidade.

VI  - Slow Fashion é interessante. A moda se inspirou na cozinha com o Slowfood (e o detox) e hoje busca um resgate e a valorização de peças únicas e atemporais.

VII – Estar fora de moda e costurar as próprias roupas são maneiras de descobrir o próprio  estilo.

VIII – Se você não pode fazer valorize quem faz.

IX – Desconfie das roupas assim como você desconfia de um milho, procure saber a origem.

X – Glamour é um lixo e a simplicidade é um luxo.

XI- O lixo é um luxo. – Reutilizar matéria-prima é super.

No próximo post prometo que coloco receita ;) 


[Mandioquinha no ateliê]

11 comments:

Elizabeau said...

Cara Rita,

Não imagina que prazer para mim foi descobrir seu blog! As receitas são incríveis, as imagens nos fazem viajar e seus desenhos... Uau!
Sua postagem veio de encontro ao meu momento atual, em que estou questionando minhas necessidades de forma contundente!
Saiba que me tornei frequentadora assídua e tenho utilizado bastante o que aprendo com você.
Muito obrigada!

P.S.: Por acaso você comercializa esses seus desenhos lindos e divertidos? Adoraria encomendar umas estampas suas.

Rita Taraborelli said...

Olá Elizabeau, tudo bem?

Fico feliz quando as pessoas me escrevem. Que bom que gosta do conteúdo, é uma micro extensão de algumas experiências de vida.
Eu vendo sim os desenhos, me escreve que te mando mais informações: pratopapel@gmail.com Tem algum que você gostou e esta namorando?
beijocas
Rita

Ana Gilka Duarte Carneiro said...

Rita, só tenho uma coisa a dizer: eu nem te conheço e já te super admiro!!!!!Que a luz sempre esteja com voce e que esta luz de consciencia sobre o vestir que voce criou se espalhe mais e mais!!!! Eu moro no México e aqui a coisa dos tecidos e texturas é uma alucinação!!!Se quiser vir e conferir, eu terei imenso prazer em te receber em minha casa. Deixo meu mail sherazadhe@gmail.com.Abraços coloridos e felizes por te encontrar

Anonymous said...

Rita, AMEI esse texto!
A gente acumula demais, um ano sem comprar roupa é básico, necessário, e muito, muito difícil. Já fiquei períodos relativamente longos sem comprar e foram ótimos. Sua experiência é inspiradora.
Não costuro mas tricoto, crocheto, e isso me faz muito feliz.
Grande beijo.
Manu Minns

Paula Barisson said...

Ri!! Amei seu post!! To tentando comprar menos tbm! :)

Rita Taraborelli said...

Oi Manuu!!

Posso te ensinar um pouco do que sei de costura e me ensina sobre tricô, que acha?
E as nossas formiguinhas da mata atlântica?
Beijos

Rita

Rita Taraborelli said...

Paula :)

Sim, sinto que a questão não esta em parar comprar mas evitar o que é desnecessário e inútil, rsrs.

beijosss

Ana Mortara said...

Entrei no blog para ver a receita de bolo de mandioca e me deparei com essa delícia de texto! Adorei a ideia e adoro mais ainda seu talento! Impressionante como tudo o que você faz, faz muito bem!

Rita Taraborelli said...

Oi Ana! Que saudade, pelo menos veio visitar minha casinha virtual, rs. Que bom que gostou do texto, demorei para escrever ele pois a experiência foi muito intensa.
Beijos

Ana Mayumi said...

Olá Rita!! Sinto uma grande alegria neste momento por ter encontrado seu blog, face, etc. Li alguns textos e experiencias e me senti confortável diante de tantas paixões que tenho, tanto pela arte quanto pela cozinha, vendo que é possível conciliar tudo!!! No momento estou tendo possibilidade de tempo e espaço para desenvolver um pouco de muita coisa que já sei fazer...rsrsr....cozinhar, costurar, bordar, etc.,..mas a insegurança ainda toma conta. Vendo seus videos e lendo seus textos senti uma enorme leveza e um gostinho de como é bom trabalhar com o que a gente gosta!!! Vc comercializa suas ilustrações? Assim que eu conseguir iniciar me organizar e dar início ao meu projeto gostaria de um desenho seu!!! Parabéns pelo seu belo trabalho, cheio de amor!!!!

Rita Taraborelli said...

Oi Ana tudo bem?

Fico feliz em receber tua mensagem. E sim é possível conciliar tudo ---> com muita organização e abertura. No começo é bastante difícil pois a sociedade nos cobra por uma especialidade, mas o tempo ensina a lidar com isso e escutar o coração, né?

Também sou insegura as vezes, e acho que isso é normal para quem esta sempre criando sozinha, não se preocupe com isso.
Então eu comercializo as ilustrações originais e também estou me preparando para fazer impressões numeradas, e também posso desenhar algo pra ti se for preciso, me manda um email: pratopapel@gmail.com
Um beijo grande,

Rita