Monday, May 23, 2016

A Revolução das Marmitas

.comer é um ato político.

     No começo do ano a Revista Espresso me contatou para produzir algumas receitas em uma matéria sobre marmitas e eu topei.
   
     Este foi o desenho que fiz para sugerir as receitas:


       "Além da economia, importante nesses tempos bicudos, tem crescido o número de adeptos da marmita no trabalho, pessoas que buscam ser zelosas com a própria alimentação e procuram um cardápio apropriado para isso." Assim descreve a jornalista Janice Kiss sobre esta onda de marmitas.

       As fotos foram produzidas pelo fotógrafo Daniel Ozana, confiram:


         Prefiro as marmitas frias pois não sou  adepta ao uso do microondas  e dificilmente haverá acesso ao fogão em situações de deslocamento. Por este motivo opto por preparos que ficam bons em temperatura ambiente como é o caso das saladas de grãos, que são fáceis de preparar, alimentam e se beneficiam com os temperos durante a marinada, ou seja, você pode preparar a noite , resgatá-la pela manhã e na hora do almoço... miam! Ela estará com uma explosão de sabores. Se você aprecia arroz o oniguiri, iguaria japonesa, se transforma em um formato interessante e perfeito para levar em marmitas, como já acontece tradicionalmente nos bentôs japoneses. Se você não sabe o que é um bentô sugiro dar uma espiada aqui para se inspirar, os asiáticos são mestres em marmitas.
        A receita do tradicional gyeran mari aprendi com a Kyang, uma amiga coreana, é bem interessante pois é fácil de fazer e fica bonitinho, dá uma olhada neste vídeo. É a única receita ovolactovegetariana da matéria, as demais são veganas ou com opção como é o caso da sobremesa que pode ser preparada com mel ou melado. A revista me perguntou se eu poderia incluir peixe mas obviamente neguei, faz uns 12 anos anos, desde que comecei a trabalhar com cozinha, que escuto esta pergunta e muitas vezes perco a oportunidade, mas neste caso a editora topou e fiquei muito muuuuuuuito feliz!


     Para facilitar a digestão dos grãos é aconselhável deixá-los de molho por uma noite, antes de cozinhar, desta forma evitamos a formação de gases durante a digestão. Outra possibilidade é preparar a marinada com grãos germinados. Na salada Contemporânea sugiro a quinoa cozida e a amêndoa germinada em um único preparo, gosto bastante desta combinação (confira como germinar a amêndoa neste post).
    A sugestão andaluz é uma opção que costumo fazer com frequência pois o couscous marroquino é rápido para preparar e acaba virando meu amigo nos dias que tenho menos tempo disponível para a cozinha, gosto de usar a cúrcuma  (também conhecida como açafrão da terra) no caldo que hidrata o trigo, pois além da especiaria ser um bálsamo para os tecidos do corpo ela deixa o preparo amarelinho e lindo. Para as marmitas mais secas sugiro molhos, estes podem ser colocados no fundo dos vidros e misturados na hora da refeição, porém eu prefiro levar a parte pois gosto de colocar por cima e dosar na hora da refeição.



      Observem que muitas dicas são preferências pessoais, afinal a marmita é um preparo que diz muito sobre cada um, cozinha é tradição. O ayurveda diz que fome é sinal de saúde, conhecer a própria fome é um passo adiante ----->  sentir, escolher e agir é a prática a favor de nossa própria saúde. Podemos selecionar os ingredientes que sentimos ser mais adequados para a nossa realidade, levando em conta a temperatura externa, a sazonalidade dos ingredientes e a disponibilidade dos produtos agroecológicos de nossa região. Olhando por este ângulo é maravilhoso, porém sabemos das dificuldades que é encontrar tempo para fazer este preparo no dia a dia, por isso não desista! Pouco a pouco, dia a dia, conseguimos mudar nossos hábitos com rotinas que fazem mais sentido e trazem benefícios para nossas vidas, estamos todos aprendendo. Você pode até combinar com teus amigos no trabalho ou na faculdade o que cada um pode levar, criando um clima para troca de receitas e a refeição em grupo.

Gratidão Janice e Hanny, adorei fazer!
Te conto algumas receitas, sugestões para te inspirar, não precisa necessariamente copiar. 

LATINO

Salada de feijão preto

125g feijão preto
3 colheres de sopa de coentro picado (se preferir use salsinha)
1 pimenta dedo de moça (sem as sementes) cortada em cubinhos
1 limão
Azeite de oliva extravirgem
Sal

Acompanhamento

4 unidades de shiitake
1/2 cebola-roxa cortada em fatias
1 espiga de milho verde cozida
1 abacate  pequeno ou avocado maduro
Salsa picante

Preparo
1. Deixe o feijão de molho na véspera. 2. Escorra a água, coloque-o em uma panela e cubra-o com água. 3. Cozinhe em fogo baixo por uma hora e meia, até os grãos ficarem macios e inteiros. Escorra a água e deixe-o esfriar. 4. Misture o feijão com os temperos, se preferir adicione o limão somente antes de servir. Em seguida, faça o acompanhamento: aqueça uma chapa de ferro ou frigideira antiaderente, adicione um fio de azeite e grelhe a cebola e o shiitake. 5. Monte a marmita com a salada de feijão, é recomendável levar o abacate fechado e cortar na hora.

Salsa picante

4 tomates maduros em cubos
3 pimentas dedo de moça sem as sementes
3 colheres de sopa de azeite de oliva extravirgem
50 ml de água
sal

Preparo
Em uma frigideira, coloque os tomates e as pimentas, adicione a água e cozinhe até os ingredientes ficarem macios e evaporar toda a água. Espere esfriar e triture a mistura em um pilão ou no liquidificador. Finalize com azeite e sal e mexa bem.

CREME DE FRUTOS AMARELOS COM CALDA DE CACAU

Creme
2 mangas maduras
5 bagas de cardamomo (somente as sementes)
2 colheres de sopa de chia (opcional)
1 maracujá
Frutas vermelhas (opcional)

Calda de cacau
2 colheres de sopa de massa de cacau ralada ou cacau em pó
2 colheres de sopa de mel , melado ou rapadura ralada
1 colher de sopa de óleo de coco
2 colheres de sopa de água
Tomilho ou menta para decorar

Preparo
1. Bata a manga com as sementes de cardamomo* e a polpa de maracujá até formar um creme. Não use água neste processo. Se for necessário, desligue o liquidificador, mexa a mistura com uma colher e bata novamente até que ela fique homogênea. Transfira- a para um recipiente, leve para gelar enquanto a cobertura é preparada. Coloque todos os ingredientes da calda em uma frigideira e leve-a ao fogo. Cozinhe em fogo baixo, sempre mexendo, até formar uma calda brilhante, lisa e encorpada. deixe esfriar e ponha sobre o creme de manga. Decore com ramos de tomilho ou menta.

* O cardamomo precisa ser aberto para usar, descarte a casca e use somente as sementinhas.

A Revista Espresso é uma publicação gastronômica especializada no setor de café, as edições são trimestrais.

+ sobre marmitas:

No próximo mês haverá uma aula de MARMITAS CRIATIVAS no projeto Shala&Cozinha em São Paulo, o encontro será no dia 18 de Junho no Espaço Paramita em Pinheiros, para se inscrever e saber mais informações escreva para: shalaecozinha@gmail.com



Saturday, May 7, 2016

Shala&Cozinha em Sampa

.oficinas.


    Tainá Azeredo

Mês passado aconteceu a primeira oficina do Shala&Cozinha, um encontro que une práticas de yoga com cozinha saudável e criativa. As aulas são abertas a qualquer pessoa e não é necessário já fazer yoga ou saber cozinhar para participar, o encontro é um convite ao diálogo entre esses dois caminhos que cultivam o autocuidado.


    Tainá Azeredo

Conheço a Julia desde 2006 quando na época praticávamos yoga na mesma escola, com o movimento da vida nos reencontramos e, assim que ela me convidou para fazer as oficinas no projeto, topei.

Na primeira oficina o tema foi Brunch em Cumbucas!

Para quem não sabe Brunch é um desjejum feito no fim da manhã, ou ao meio dia, onde o cardápio acolhe preparos que vão desde frutas até receitas mais consistentes e elaboradas como uma torta, uma salada e até um hommus.  Esse tipo de refeição é muito comum em eventos e retiros de yoga mas também combina em um final de semana com a família. Minha amiga Maria o ano passado comemorou seu aniversário com um brunch durante a semana, achei muito legal a idéia e foi muito gostoso.

No dia anterior ao encontro fomos juntas ao Instituto Chão buscar insumos para aula!



A oficina começou com uma suave prática de yoga conduzida pela Julia e em seguida nos encontramos na cozinha.
Mesa pronta para receber os alunos:





    Tainá Azeredo

    Cris sentindo o aroma de uma aveia orgânica demolhada.

Nossa produção lindaaaaaa, maravilhosa e gostosa:

    Tainá Azeredo
    
    E esta foi nossa primeira turma ;D

                             Tainá Azeredo


PRÓXIMAS OFICINAS EM SÃO PAULO

 Chia, quinoa e amaranto (aula sem glúten) - 21 de maio
 Marmitas criativas - 18 de junho
 Local: Espaço Paramita
 Horáio: 9h00 - 14:30
Valor: R$ 275,00
 Para + informações e reservar sua vaga: shalaecozinha@gmail.com
















Wednesday, May 4, 2016

Creme de abacate

.delícias de um liquidificador.



Gorduroso, cremosinho e mata fome, quem nunca?
Abacate é uma das minhas frutas preferidas, principalmente porque é neutra e pode ser usada em receita doce ou salgada, o Mandioquinha também ama.

O creme nada mais é que o abacate batido até formar um creme, podemos até colocar algum líquido, mas não muito.

No café da manhã que preparei no retiro do Lino na Bahia o creme era com o iogurte que uma fazenda vizinha fornecia, confira a receita aqui.

Aqui em casa costumo preparar com especiarias, pois amo, olha neste post! Acho que a cúrcuma, inclusive, combina muito.

Hoje a fórmula foi enriquecida com leite de castanha, chia e banana, olha ele aí:

Para fazer o creme não tem erro:

Creme de abacate energético

1/2 abacate médio maduro
1 banana
1/3 xícara de leite de castanha
1 colher de sobremesa de chia
1 pitada de canela ou noz moscada

1. Bate tudo no liquidificador até ficar cremoso. Sirva com granola.

A granola da foto faz parte do livro Paz, Amor e Granola, para conhecer mais sobre ele acesse aqui.

Friday, April 29, 2016

Luto, tchau pé de limão!

.óh, ciclos.

Definitivamente estou em luto, acabei de constatar que o pé de limão siciliano morreu.

A cura!

Meu tio descobriu que fazer a cura do limão com ele era melhor, desconfiei, provei e constatei. Além do fruto ser mais suave e levemente adocicado o pé conseguia fornecer o suficiente  para este processo que consome MUITOs limões. Uma vez peguei uma escada para colher os limões do topo mas perdi o equilíbrio, quando segurei no galho POW! Entrou espinhos nos meus dedos e um deles inflamou, mas com bicarbonato consegui tirar o espinho fora, quantos aprendizados.

Ciclos

É difícil aceitar, mas foi, fazia tempo que ele estava sofrendo com aqueles parasitas de árvore mas o Reinaldo disse que foi o tempo que o matou. Não sei o que foi, mas já foi, e é isso. Agora olhando pelo lado positivo o pé de limão cravo, que era criança, começou a dar frutos na mesma época que o outro começou a padecer, será que foi ciúme? Sendo positiva acho que foi sincronia, eles não estão próximos mas acho que os passarinhos levam mensagens, talvez. Me acostumando com o novo amigo limão cravo, antes ele era só o da feira, mas agora já começamos a nos conhecer um pouco, pouco pois ainda vivo o luto.

Por algum motivo tive sorte pois registrei momentos com ele através do olhar da  fotógrafa Camila Fontenele, olha que belezura eram os limões dele:


Colhendo eles, que vergonha:



A segunda foto que tirei no instagram foi dele, ó:



Após constatar a morte do pé de limão siciliano fui fazer algo que gosto e escolhi comer um caqui, experimentei com limão cravo e só, delícia. Laranja sempre vai ser a cor do outono pra quem mora perto de Piedade.


Wednesday, April 27, 2016

Banana amassada com noz moscada!

.Jaiphal.


Só com uma pitadinha,
ela combina!

Noz moscada é aquela especiaria com gosto de especiaria, não é? No Brasil é bastante comum e bem fácil de encontrar, até mesmo em lugares mais isolados tem noz moscada no mercadinho. Mas a noz moscada tem dois temperos diferentes em um só, sabia? Na real é a única fruta exótica, comestível, que tem duas especiarias!!!!! A mais conhecida é a semente, a mais popular por aqui, e a outra é uma espécie de rede que cobre a semente e se chama macis, é linda e tem cor vermelha quando está fresca, olha:



fonte: UCLA


Mas como usar? Geralmente encontramos ela para vender em pó mas sinto que ela raladinha na hora fica beeeeem mais expressiva. Ela causa um pouco de sonolência, ou seja, levemente calmante e perfeita para usar em receitas noturnas, sem falar que é excelente para digestão. 
Em qualquer receita com banana fica uma delícia, mas é bom não exagerar! Noz moscada em excesso, tipo uma inteira, causa alucinação e dependendo da dose pode matar, mas quem cozinha sabe que só uma pitadinha é o suficiente, mas acontece, não estou brincando! Dá só uma olhada nesta reportagem aqui.

Tchau, e não esquece de reservar teu livro.

Saturday, April 23, 2016

Granola combina com açaí na tigela feito em casa

.homemade.

Granola combina com?


Sem dúvida aqui na região sudeste combina muito bem com açaí na tigela, sabe?
Convide os amigos e se prepare pois é muito fácil fazer.

Neste post já falei que o xarope de guaraná é uma verdadeira calda de açúcar o que torna a famosa tigela de açaí um falso saudável. Eu mesma demorei muito tempo para gostar desta tigela, até descobrir que em alguns lugares, não muitos,  é possível pedir sem o guaraná e somente batido com banana.

Açaí na tigela combina muito com granola caseira, que delícia!
O projeto granola é meu primeiro livro independente e contará com 30 receitas de granola, o projeto esta no Catarse em sua segunda fase, para saber mais e garantir seu exemplar acesse aqui.

Açaí na tigela feito em casa

2-3 porções

200g polpa de açaí
1 xícara de suco de uva, tangerina, amora ou laranja
1 xícara de amoras (opcional)
2-4 bananas - abacate também funciona muito bem
1 colher de café de guaraná em pó

É só bater tudo colocar em uma cumbuquinha e finalizar com granola caseira, frutas, tapioca crocante ou o que preferir. 

Me convidem, tá???



Monday, April 11, 2016

Brunch?

.resquício gringo.


Brunch, você sabe o que é isso?

Quando um café da manhã é feito no fim da manhã, ou ao meio dia, esta simpática refeição é chamada de "brunch", uma mescla de café da manhã e almoço que era usada na Inglaterra no fim do século 19 e se popularizou nos Estados Unidos nos anos 30, por isso um nome em inglês. O brunch pode ser servido em forma de buffet ou até mesmo ser um almoço leve, é uma refeição perfeita após uma vigorosa prática de yoga, além de se encaixar bem aos finais de semana quando estamos livres de trabalho e escola.

Agora, onze horas, se você ainda não tomou café é a hora!

OFICINA BRUNCH EM CUMBUCAS
No próximo sábado, 16 de abril em São Paulo, vou dar uma oficina no projeto Shala e Cozinha onde o tema será "brunch em cumbucas", a oficina culinária será realizada após uma prática de yoga conduzida por Julia Jalbut.


O projeto integra duas práticas de auto cuidado: yoga e alimentação saudável e criativa.


Para saber + e se inscrever escreva para shalaecozinha@gmail.com

Wednesday, April 6, 2016

Aprenda como fazer PIPOCA DE AMARANTO em casa!!!!

.divirta-se.

O amaranto em grão é versátil e perfeito para pipocar e ser incorporado em preparos como granolas, barrinhas e docinhos. As sementes das espécies amaranthus caudatus, cruentus e hypochondriacus, podem ser encontrados em mercados e até mesmo plantado no jardim de sua casa.

Olha uma Granola preparada com pipoca de amaranto que vai para o livro Paz, Amor e Granola:





Fazer a pipoca em casa é bem fácil, já te expliquei neste post, e agora te oriento melhor com um vídeo. Aqui no Brasil hoje é um pouco raro encontrar o amaranto já estouradinho, diferente do México onde em qualquer loja natural a pipoquinha pura esta lá te esperando.



[Confira aqui como preparar Broto de amaranto]

Vamos fazer a pipoca?


Vamos lá:


1/2 xícara de amaranto em semente/grão
1 panela funda de fundo grosso

O primeiro passo é aquecer tua panela. Se o seu fogão for um convencional deve levar cerca de 5 minutos, chamas mais fortes vão aquecer muito mais rápido, óbvio. Enquanto isso pegue mais 2 coisinhas que vamos usar: um pote  (evite plástico) e um pano de prato limpo e seco.

Assim que a panela ficar bem quente espalhe 1 punhado de amaranto, aproximadamente de 1 a 2 colheres de sopa, e tampe com o pano de prato para não voar sementes pelo fogão, é muito rápido em menos de 10 segundos as sementinhas estão pipocadas. É só despejar a pipoca no pote e repetir o processo com o restante das sementes. Não tem erro, se a pipoca demorar para estourar é porque a panela não esta quente o suficiente. Preste atenção com os seguintes pontos, para evitar acidentes:

• Na hora de cobrir a panela com o guardanapo de pano aproveite e forme uma espécie de proteção para as mãos para segurar as alças da panela, as vezes é necessário fazer alguns movimentos circulares e a panela vai estar muito quente. Com a tampa as vezes não dá tempo e queima mas funciona também, você tem que ver pela fresta do pano como esta lá dentro e já despejar, queima muito rápido.


Farinha de pipoca

Você pode fazer uma farinha com a pipoca, descobri isto no México, é um método tradicional e fica bem mais digerível e leve. Aqui no Brasil a farinha comercializada é o grão moído, fica beeeem diferente.

Livros

O amaranto pipoca esta presente em muitas receitas do livro Paz, Amor e Granola que esta sendo financiado pelo catarse, ainda dá tempo de garantir seu exemplar aqui.

Outra novidade é um livro com receitas de amaranto que em breve será publicado pela Publifolha!!! Ansiosa.

Tuesday, April 5, 2016

Creme de goiaba

.da série delícias de um liquidificador.

Neste mês vai rolar a primeira aula de culinária do projeto Shala & Cozinha em São Paulo! O evento une práticas de yoga com aula de cozinha saudável e criativa, mão na massa gente!!!

O tema da aula de estréia é "Brunch em cumbucas" e acontece no próximo dia 16 deste mês:



     Neste calor intenso nada melhor que frutas frescas e, óbvio, que vou passar uma receitinha inspirada na aula, né? O creme é  perfeito se você tem goiaba no pé, se não tiver corre na feira que ainda tem um pouco!!!

O creme é batido com leite de coco mas pode ser preparado também com água, leite de castanhas ou até iogurte. Lá vai a receita:

Creme de goiaba com coco e chia

200 ml leite de coco caseiro
3 goiabas vermelhas maduras 
Mel a gosto
1 colher de sopa de chia

1. Processe o leite e as goiabas descascadas, coe para extrair as sementes e coloque em um recipiente.
2. Adicione a chia, mexa e deixe hidratar por 20 minutos.
3. Mexa bem para soltar as sementinhas, adoce com mel e sirva.

Sugestão/opcional:
SOBREMESA: Sirva como sobremesa! Leve para gelar durante algumas horas e sirva em um potinho lindo com uma bola de sorvete de gengibre. Que tal?

Para a opção vegan retire o mel da receita, se optar por adoçar escolha o que for mais conveniente pra ti!

INFORMAÇÕES SOBRE AS AULAS:
Local: Espaço Paramita, Pinheiros.
Inscrições: shalaecozinha@gmail.com

Monday, April 4, 2016

Cozinhando no forno solar - a primeira experiência

.delícias bronzeadas.

Oi pessoas!!! Escrevo para contar da experiência  interessante que é usar um forno solar para cozinhar.
Já faz um bom tempo que eu queria um forno deste e no fim do ano passado decidi investir, principalmente para poder desenvolver as receitas de granola com ele também. Temos um desidratador elétrico Excalibur para desidratar flores, ervas e preparar receitas de culinária viva mas sempre questionei o seu uso excessivo de energia elétrica, me incomoda, e lá no fundo da mente o forno solar pulsava.

A primeira receita cobaia foi a Granola do Sol que no fim deu super certo para uma primeira tentativa. Coloquei a granola para assar  13:15 e até 16:00 fui mirando o sol, assim que parei de buscar o sol deixei o preparo dentro do forno por mais meia hora. É muito interessante pois a energia muda e o tempo se estende, é muito legal. Esta semana pretendo preparar mais algumas receitas de granola nele para livro Paz, Amor e Granola que esta sendo financiado pelo Catarse.

Apesar de desenvolver as últimas receitas no forno solar  vale lembrar que elas também são aptas para o forno convencional.

Olha a Granola do Sol como ficou bonitinha:


Ela dorou de leve e no fim deixou escapar um cheirinho irresistível do forno. O Sol é uma energia super poderosa e ainda pouco explorada na cozinha, até hoje o sol é mais usado para desidratar alimentos (que também é muito legal) mas o forno possibilita a maior concentração de calor para preparos mais complexos, não vejo a hora de fazer um pão fermentado! Já estou fazendo o fermento novamente pois o meu morreu durante o tempo em que fiquei viajando, vamos lá! Avante! Sol por enquanto não falta!!

A Granola do Sol foi servida com fatias de caqui maduro e um creme de manga:

1 manga madura + suco de 1 limão cravo + 2 sementes de cardamomo (sem a casca)

Para a granola procurei usar ingredientes que se relacionam bem com o sol como amaranto, semente de girassol, óleo de coco, cúrcuma, semente de cacau e outros.

O projeto Granola esta na última semana de captação e para garantir um exemplar, digital ou impresso, confiram mais informações aqui.

Sunday, April 3, 2016

Lassi de manga com cardamomo

.da série delícias de um liquidificador.

Neste último sábado dei uma aula de culinária no Sesc Sorocaba para o grupo Juventudes, a  oficina que trabalhou temas polêmicos em forma de receitas faz parte da programação especial deste mês de abril "É tudo mentira?".

As receitas trabalhadas em aulas causavam estranhamento, mimetismo ou eram vítimas de tabus. O mito de que manga com leite é prejudicial a saúde, muito comum no Brasil, foi criado durante o período colonial para evitar que os escravos consumissem leite nas fazendas, e como os escravos consumiam muita manga os fazendeiros criaram este mito para tentar impedir o consumo do leite. Para esclarecer o tabu de que a mistura não faz mal preparamos e  provamos uma deliciosa e tradicional receita indiana, o lassi de manga com cardamomo. Para quem ainda não conhece a receita te conto, é fácil:

****
Lassi de Manga e Cardamomo

(2 copos)

250 ml de iogurte natural sem açúcar
1 manga grande madura, ou 2 pequenas
2 bagas de cardamomo

1. Descasque a manga, descarte o caroço e coloque em um liquidificador junto com o iogurte.
2. Abra as bagas de cardamomo, descarte a casca e coloque as sementes com os demais ingredientes, processe tudo até ficar cremoso e sirva.
*Se preferir adicione 100 ml de água para ficar mais leve.
**Se não encontrar sementinhas de cardamomo prepare sem, também fica bom com uma pitadinha de noz moscada.

Também preparamos e degustamos preparos tradicionais que são comuns em algumas culturas mas que em outras causam estranhamento como doce de feijão e o consumo de mamão verde em pratos salgados. Desvendamos o mito de que comer bolo quente não dá dor de barriga e experimentamos uma bebida que parece café mas é cevada.



Tuesday, March 1, 2016

Paz, Amor e Granola

.um livro artesanal.





Te escrevo para contar sobre Paz, Amor e Granola -->  um projeto de livro artesanal com receitas ilustradas.
Assista ao vídeo para entender um pouco mais:




Um livro todo artesanal com sugestões de receitas para inspirar o leitor a produzir uma deliciosa granola feita em casa.

Paz, Amor e Granola é um projeto independente e será produzido por um grupo de artistas do interior de São Paulo. Optamos por um financiamento coletivo pois é uma das maneiras de viabilizar a produção de um material impresso artesanal, aliás você sabe o que é financiamento coletivo?  Te conto! É uma espécie de vaquinha organizada que viabiliza projetos, no Brasil existem várias plataformas deste tipo e o Catarse é o mais tradicional. Nosso projeto esta .

O livro é recheado com 30 receitas criativas e ilustradas para orientar os iniciantes e inspirar aqueles que já são familiarizados com a cozinha. O projeto conta com duas versões, a digital e a impressa que será em serigrafia.

Você sabe o que é serigrafia?

O Edson Panis que vai imprimir a obra explica que a "serigrafia é o processo mais antigo de impressão inventado pelo homem. Os chineses e japoneses já estampavam tecidos e armaduras por esse processo. Inicialmente os moldes de papel, utilizados na reprodução, passaram a ser ligados por fios de cabelo, depois substituídos por seda, afim de comporem um conjunto. Hoje utilizamos o nylon, ou o voil (voal das cortinas, vestidos de noiva ou os antigos lenços de cabelo), ou até tramas metálicas.
Embora a tecnologia avance inacreditavelmente, a serigrafia (ou o silk-screen) resiste ao tempo, e é largamente utilizada hoje em dia em mil e uma aplicações."

O resultado da impressão fica bastante interessante e com aspecto manual, e assim conversa com o conteúdo do livro que são receitas de granola artesanal.

Para conhecer mais sobre o projeto, apoiar e garantir seu livro acesse aqui.





Thursday, February 18, 2016

Hibiscus, meu amor!

.do nosso jardim comestível.



Eu amo ele, também. 

O Hibiscus é sei lá, tipo assim, um grande amigo das mulheres. 

Sempre gostei da sua cor, sua florzinha delicada  e seu sabor deliciosamente ácido. Ele é interessante pois tem um botãozinho cor rubi e quando a flor decide abrir é clarinha, uma graça.



Olha só que delicadeza, é ou não é uma flor super feminina?


Sem contar que no final do dia ela já fecha, tão efêmera.

Sou completamente viciada em seu chá e amo servir água aromatizada com ela.

O ano passado decidi que queria sentir esta planta mais de perto, perto mesmo, estão coloquei uma muda na minha sacada, acomodei ao lado do hortelã-da-china e ali ela ficou. Todos os dias antes de dormir e depois de acordar eu olhava para ela. Com o passar dos dias percebi que ela era forte e gostava de sol. Na verdade eu já desconfiava pois ela é muito comum em receitas de zonas tropicais. Mas bem, quando sentimos na prática o aprendizado é diferente. 



Acontece que faz uma semana comecei a perceber que ela (meu Hibiscus é mulher) não estava bem. Pois é, comecei a dar mais atenção e nada, nenhuma reação. Ontem pela manhã acordei certa de que era hora de plantar ela na terra, então encontrei um lugar agradável entre o pé de tangerina e as flores de cosmos, cavei um buraco e Voilá! Tomei um susto, quando tirei a planta do vaso mil formigas se movimentaram. Era isso que incomodava ela, claaaro, deixei as formigas correrem e logo a acomodei no buraco recém cavado.  Cobri com um pouco de grama cortada, coloquei uma estaca, amarrei e pronto, ela se sentiu em aventurança. Senti que era um dia especial para nós e resolvi fazer uma plaquinha. Lembrei de quando Hamaram fez uma mini Agrofloresta aqui e apelidamos de jardim comestível, nada a ver né? Fiz a plaquinha inspirada neste nosso projeto.


Pronto! No fim da tarde choveu e ela ficou feliz, espero profundamente que os cachorros não sintam ciúmes e a transformem em um ponto de território, o jeito é ficar na torcida.
E sei que errei gente, sabdariffa tem dois Fs.






O Hibiscus sabdariffa também é conhecido por muitos outros nomes como caruru azedo, vinagreira, rosela e acho que é prima do quiabo.

Flor de quiabo na horta, não é parecida com a nossa lindona? 



A nossa estrela rubi pode ser usada em várias receitas e a mais tradicional talvez seja na água de Jamaica, quando colocamos a florzinha na água e o resultado é um liquido delicioso e cheio de cor.


Quando fomos para Trancoso e cozinhamos em uma temporada lá na pousada da querida Thaís servimos um chá que intitulamos de Sensação pois era tão bom, basicamente uma infusão do hibiscus e menta fresca, mas vale ressaltar que a menta que a gente conseguia ali na região era meeeega refrescante.  

Te conto na sequência como preparar. Olha ele aí.



Chá Sensação

1 litro de água
1 colher rasa de sobremesa de pétalas  de hibiscus sabdariffa
1 ramo farto de menta fresca

1. Aqueça a água até atingir 80-90 graus e adicione as pétalas e a menta, tampe e deixe infusionar por aproximadamente 7 minutos.
2. Sirva.

No workshop da Kathy Petra e eu nos empolgamos e um dia fizemos o mingau feminino, que é basicamente um müsli com frutas vermelhas e hibiscus. Ficou muito bom e foi servido após a prática de yoga:




Antes de ontem também fiz uma receitinha que coloquei hibiscus, amo! Já deu para perceber né? Para quem não sabe estou escrevendo um livro com receitas de granola e vira mexe testo algumas, a última levou barberry e hibiscus,  ficou tão bom que já acabou. Durou três dias, hahaha. O projeto do livro já esta no Catarse, se você quiser apoiar e garantir um exemplar dá uma olhadinha aqui.  

Chamei ela de Granola Barbaridade:




Muito amor para todos!

Tuesday, January 19, 2016

Broto de amaranto

.uma experiência pink.





Este brotinho delicado tem as hastes cor de rosa e a sua folha é verde, muito lindo. Ele pode ser usado para finalizar a salada, dar um grau no teu canapé e até botar no suco, mas sei lá, acho muita beleza para triturar. 

Se preferir ver a planta se manifestar é indicado plantar diretamente na terra (chão) ao invés de usar o vaso, sim. Belo!
Existem muitas espécies de amaranto, eles estão por todo canto inclusive, mas este broto aqui é feito com a semente do amaranto que cresce e tem flor rosa, sabe? Não é aquele que o pessoal come como espinafre. No mercado você encontra como amaranto em grão.

Para quem me conhece bem sabe, tenho um carinho especial por ele e faz um tempo comecei a pesquisar mais a fundo, especialmente estes que podemos comer as sementinhas. E sabe que não encontrei muita referência em relação a brotar ele? A primeira vez que plantei fiquei muito feliz em ver este lindo crescer tão forte e colorido, aqui mostro fotos dos brotos e como depois eles ficaram grandões, com flor e tudo!

Olha esta turma de brotos plantados no jardim de casa, direto no chão, em meados de 2013:



Conforme  o lote e a qualidade da sementinha a manifestação da planta é diferente. Este aqui é  diferente do anterior, foi em 2014, a haste não ficou tão pink e foi plantado em um vaso de barro:


Agora olha ele grandão, tá preparado(a)? Aqui no quintal de casa, divando entre as flores de Cosmos, lindoooooooooooo woooooooo:


(provavelmente este é o Amaranthus cruentus, se eu tiver errada por favor me corrijam)



Quer tentar fazer?

sementes de amaranto (amaranthus cruentus, hipocondriacus e caudatus) 
terra saudável
vaso 
água

Existem algumas maneiras de fazer os brotinhos <pois é> vou te contar duas que são interessantes e já experimentei. A primeira forma é germinando as sementes e em seguida colocando elas na terra e, na segunda opção, deixamos as sementes de molho por aproximadamente 6-8 horas, escorremos e em seguida colocamos na terra.

[Se você nunca brotou antes seguem algumas instruções]

Faça esta experiência: coloque a terra no vaso e distribua os grãos pela superfície  polvilhe terra por cima e regue  uma vez ao dia até que todos se apontem para cima. O ideal é deixar em ambiente externo com luz indireta, e somente quando o broto começar a se formar colocar no sol. Isso pode levar em média uma semana! O broto fica pronto quando surgirem duas folhinhas e, dependendo da semente, a haste é um tom de rosa tão lindo!

Se você realmente nunca germinou ou brotou algo antes sugiro dar uma espiada no site do terrapia, ali esta cheio de informações valiosas, a pesquisa é séria e o trabalho, além de tudo, é social.

Aproveite para conhecer a Doña Otilia, uma vendedora antiga de amaranto no México, fofíssima:



Monday, January 18, 2016

Uma ceia vegetariana

.lentilha, louro, arroz e romã.

Pela manhã coloquei 2 xícaras de grão de bico para hidratar imaginando que materializar um hommus seria bom para iniciar. Com pouco esforço e algumas mensagens por wasap consegui juntar 14 pessoas, um bom número para quem não planejou nada para a noite de ano novo.

Um pouco antes do pessoal chegar preparei uma massa de tortilha de trigo e deixei descansar. Quando a Paulinha chegou ensinei ela a abrir  a massa e pronto. Pedro que morou no México disse que lembrou as tortilhas caseiras que comia por lá.

A Susana chegou tipo 23:30 com a lentilha ainda no saquinho. Quando bateu meia noite a mesa estava pronta, parece mentira né? Já sabia que ia ser arroz com lentilha, preparo fácil, chamado Mjadra. Sabe? Pode ser que você já comeu e não sabia que este era o nome, aliás a primeira vez que me dei conta do nome foi quando morava com a Marie, e te conto mais, a receita esta aqui e  também aqui! Mas muito, muuuuuuuuuuuuuuuuuuito mudou desde que fiz pela primeira vez este prato.

Em ocasiões especiais gosto muito de fazer com arroz de risoto pois fica mais saboroso e naturalmente cremoso. Mas a receita tem um segredo, para poder cozinhar a lentilha JUNTO com o arroz recomendo o seguinte procedimento: lave a lentilha e coloque em uma panela, cubra com água e acenda a chama, assim que ferver escorra a água e pronto, você a deixou no mesmo ponto de cozimento do seu arroz. 

É isso, te conto a receita da minha primeira Mjadra de 2016! E como eu amo fazer este prato, especialmente quando somos em muitos.

Mjadra 2016
(atenção! Esta não é uma receita tradicional, uso outros temperos)

800 g de arroz arborio
500 g lentilha miúda

temperos:
3 bagas de cardamomo (abra descarte a casca e use somente as sementinhas pretas que estão dentro)
5 dentes de alho com a casca cortados ao meio
3 un de cravo-da-índia
1 pedacinho de macis
2 cebolas picadas
1 ramo de segurelha
1 ramo de tomilho
3 folhas de louro
Azeite
Água
sal

5 cebolas médias em rodelas e super douradas em manteiga ou azeite de oliva

1. Prepare a lentilha conforme a dica acima. Aqueça água.
2. Aqueça uma panela rasa de barro e adicione o azeite e adicione todos os temperos, exceto os ramos de ervas. Mexa bem até a cebola ficar transparente  então adicione os grãos, mexa,  cubra com água e ajuste o sal. Não sei te dizer agora o quanto de água. Se você ficar inseguro(a) cubra e deixe sobrar uns 2 cm de água.
3. Quando ferver abaixe o fogo e adicione as ervas. Cozinhe por 10 minutos ou até a água secar e os grãos cozinharem, se for necessário adicione mais água. Lembre-se que se for preparar na panela de barro é indicado desligar um pouquinho antes do ponto, afinal ela fica tão quente que o cozimento continua  mesmo com o fogo desligado. É isso, finalize com um fio de azeite e cebola dourada por cima.

Servi com legumes grelhados na chapa, hommus, tortilha feita na hora e um molho de romã. Pratos tipo assim, antigos.



A berinjela e a abobrinha não escondem segredo, é só fatiar e dourar em uma chapa bem quente e com pouco azeite. Como era ano novo o Roberto Samuel  trouxe romãs que colheu na árvore de sua casa e juntos preparamos um delicioso:


Te conto, a receita é simples. O mais difícil é tirar as sementes da romã, mas bem não fui eu quem fiz esta parte. Enquanto eu grelhei os legumes Roberto separou as sementes e assim foi, cozinhamos juntos papeando. Assim é bom, não é?

Ingredientes para o molho:

4-5 romãs médias
Mel
Azeite
1 limão siciliano 
sal


1. Corte a romã ao meio e retire todas as sementes, não deixe nenhuma parte branca pois pode prejudicar o sabor do nosso molho. Não é difícil, só é preciso ter paciência e boa vontade, virtudes ué.
2. Coloque as sementes em uma louça linda  e finalize com o suco do limão, um fio generoso de mel, um fio generoso de azeite e misture bem. Ajuste o sal e pronto. Não precisa por muito sal, é legal deixar o doce da romã e do mel sobressair.
3. Sirva sobre os legumes ou como preferir.

Neste vídeo ensino fazer o vinagrete de Romã, parece igual mas é diferente:





E antes de jantar Roberto nos desejou poucas e boas para 2016 e então recitou este lindo poema de Fernando Pessoa:

"Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive."






Monday, December 21, 2015

Creme de manga - receita de amor n.01

.em receitas de amor.


É um creme com o que tinha e ficou tão bom como café da manhã. Quis colocar manga e abacate e ele o iogurte e a canela, ficou perfeito!
Faz um tempo já, não sei quanto, talvez 1 ano. Acabei de achar o desenho.
Fizemos depois de fazer amor, um café da manhã no meio de qualquer tempo.

Se a manga tiver madura e o iogurte for sem açúcar não tem porque errar.
Para a versão vegan usei um bom leite de castanha do pará.

Tuesday, November 17, 2015

Champurrado - sobre milho e cacau

.resquícios culinários.


Sábado rolou a segunda aula para o grupo Juventudes do Sesc Sorocaba. Desta vez o tema foi cozinha mexicana que na minha opinião tem uma culinária bastante expressiva, foi bem legal a experiência.


O milho é a base da alimentação no México e compõe receitas tradicionais como tortillas, tamales e atoles. No Brasil ele também esta na tradição índigena e caipira mas foi difícil encontrar milho e fubá não transgênico em Sorocaba. Como evitei buscar ingredientes fora da cidade senti que precisava situar o grupo diante esta situação e assim começamos a aula com o filme Milho, aqui tem o trailler dele:





Vamos ao que interessa - México
Ilustração em nanquim do glifo Sa, uma das representações do atole na cultura Maia.


Atole é uma bebida encorpada geralmente engrossada com masa. A masa é uma massa tradicional feita com milho nixtamalizado onde as sementes passam por uma água alcalina que melhora seu sabor e digestão. O atole pode também levar rapadura e condimentos como pimenta, baunilha e canela. Além do milho outros ingredientes locais podem ser usados para encorpar a bebida como por exemplo a  chia.

Confira abaixo uma cozinheira que mostra como triturar o milho nixtamal conforme as origens. Bem interessante.



Quando o atole leva cacau é chamado de champurrado. Esta espécie de chocolate quente não é originalmente doce mas o tempo a deixou.


Ilustração do glifo de cacau em nanquim, theobroma cacau, ou kakaw na cultura Maia. Até que o formato da fruta lembra um peixe, né?

O cacau tem uma história interessante no México pois era sobretudo consumido através de uma bebida. Na cultura Maya chocola'j é um verbo para beber chocolate juntos, enquanto que na língua nauatle, dos Astecas, chocolātl significa água amarga por conta desta característica do cacau. Foram os europeus que criaram a receita de chocolate que conhecemos hoje.

     Sementes de cacau orgânico, um dos meus alimentos favoritos.


Já adianto para quem não esta acostumado que o champurrado é uma bebida forte e alimenta! Usei na receita da aula a massa de cacau --> um ingrediente usado na produção de chocolate e que também é conhecido como liquor.
Olha ele aí:



Toda aula de cozinha que dou coloco ela no meio pois considero importante as pessoas reconhecerem e principalmente aprenderem a usar.  

A massa ralada fininho faz o papel do cacau em pó ou pode ser derretida em banho maria como o chocolate. Sua composição é a semente de cacau triturada e só, durante o processo de moer a manteiga de cacau se solta da semente e forma esta massa linda.

Costumo comprar do Planeta Cacau que produz um cacau orgânico no sul da Bahia, mas para quem mora em em São Paulo na feira orgânica do Ibiraquera você encontra com o Virgílio uma massa de origem amazônica, o valor é mais salgado e o sabor é mais suave.

No inicio do ano usei uma massa em formato de bastão que a Marie trouxe lá da região do Baixo amazonas, confira:


Preparei docinhos no evento e a  aceitação foi muito boa entre as crianças e adultos. Na aula do Sesc a massa de cacau foi na nossa receita de champurrado, te conto!


Champurrado (atole de cacau)
* 3 xícaras *

Nesta receita ao invés de uma farinha de milho uso chia triturada para engrossar pois não gostei do sabor do fubá. A chia também é usada para engrossar o atole, chianatoli.

500 ml de água (se quiser mais cremoso use 1/2 de leite vegetal ou creme de leite fresco)
3 colheres de sobremesa de  chia recém triturada
3-4 colheres de sopa massa/liquor de cacau ralado ou chocolate 70%
Pimenta vermelha de sua preferência, sem a semente
1/6 fava de baunilha ou 2 gotas de extrato puro de baunilha
Rapadura  ralada a gosto

1.   Coloque 150 ml da água  em uma pequena panela de fundo grosso e leve ao fogo.
2.   Corte a pimenta de comprido, descarte as semente e coloque um pedaço que achar bom dentro da panela.
3.   Corte a fava de baunilha ao meio, raspe as sementes e coloque na água junto com a fava raspada 
4.   Em 100ml de água dilua a  chia/fubá até ficar uma pasta, adicione na panela e aqueça até ferver, abaixe o fogo e mexa com um fouet pequeno até engrossar, adicione o cacau, a rapadura e mexa bem até ficar aerado. Se preferir ajuste com mais espessante.

Na aula usei o dobro de chia para ficar com aspecto cremoso.


Curiosidades in loco:

Em agosto deste ano chefs de cozinha  pediram para parar o cultivo de milho transgênico no México, já no mês de outubro apicultores Mayas fizeram abaixo assinado para proibir cultivo de soja transgênica e agora em novembro foi proibido a soja.



(Este ano o Brasil aprovou um projeto que dispensa a rotulagem dos produtos que levam ingredientes transgênicos em sua composição, um desrespeito ao consumidor brasileiro que deveria no mínimo ter o direito de escolher. Por isso se você não quer consumir o ideal é estar atento a origem do alimento e buscar fontes seguras como produtores agroecológicos.)